As principais Sumulas Vinculantes em materia tributaria
As principais Súmulas Vinculantes em matéria tributária
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

O Supremo Tribunal Federal possui Súmulas vinculantes e Súmulas não vinculantes, as vinculantes surgiram no ano de 2004 pela emenda Constitucional nº 45 e, são resumos do posicionamento do Supremo Tribunal Federal acerca de temas que geraram muitas discussões e que tem por objetivo uniformizar a Jurisprudência.

De modo que inclusive os Tribunais inferiores não possam se

posicionar de maneira diferente daquela fundamentada na Súmula, ainda que a Administração Pública direta e indireta também deverá se submeter a elas.

Ou seja, as Súmulas vinculantes têm força normativa, diferentemente das Súmulas anteriores a 2004, que seriam apenas como uma orientação aos Tribunais e Órgãos da Administração Pública.

Então vamos as principais Súmulas Vinculantes

Leia também: O que diz a Lei sobre o momento da emissão da Nota Fiscal de Serviços?

A primeira das Súmula vinculante é a de nº 8 são inconstitucionais, Art. 5, § do Decreto-Lei nº 1569 de 77, bem como os Artigos 45 e 46 da Lei 8212/91, que tratam de Prescrição Decadência de Crédito Tributário.

Lembrando que a Constituição Federal indica alguns temas que

funcionam como normas gerais do Direito Tributário e, dada esta importância acabaram sendo temas reservados à Legislação Complementar, assim Decadência e Prescrição são assuntos encontrados no Código Tributário Nacional.

A Segunda Súmula Vinculante é a de nº 28, segundo é inconstitucional a exigência de depósito prévio como requisito de admissibilidade de Ação Judicial, na qual se pretende discutir a

exigibilidade de crédito tributário.

Esse posicionamento se firmou há bastante tempo, sendo que outras Súmulas sobre esse mesmo assunto já foram publicadas, e o que eu quero destacar é que no Direito Tributário o depósito integral em dinheiro não pode ser uma condição para uma ação anulatória, afinal existem garantias fundamentais que asseguram um contraditório a ampla defesa, ou mesmo, o  livre acesso ao poder judiciário.

Por outro lado, você deve lembrar que o depósito continua sendo uma alternativa que o contribuinte possui, mesmo que mais onerosa para suspender a exigibilidade do crédito tributário, e assegurar inclusive a obtenção de uma certidão positiva com efeitos de negativa.

A terceira das Súmulas selecionadas é a de nº 29, sendo inconstitucional a adoção no cálculo do valor de taxa de um, ou mais elementos da base de cálculo própria de determinado imposto, desde que não haja integral identidade entre uma

base e outra.

As taxas não podem ter fato gerador ou base de cálculo idênticos aos dos impostos, mas que não há nenhum problema se forem apenas fato gerador, e base de cálculo parecidos com aqueles aplicados aos impostos.

A quarta Súmula vinculante é de Número 50, Norma legal que altera o prazo de recolhimento de Obrigação Tributária, não se sujeita ao Princípio da Anterioridade.

Vamos lembrar que o Princípio da Anterioridade anual e Nonagesimal, só é atraído quando um tributo foi instituído ou majorado.

A operação em nenhum momento implica em aumento do tributo, mas apenas na mudança da data de pagamento. Portanto não há razão para se observar o Princípio da Anterioridade.

A quinta Súmula vinculante é a de nº 52, ainda quando alugado a terceiros permanece imune ao IPTU um imóvel pertencente a qualquer uma das Entidades referidas pelo Artigo 150 inciso 6º Alínea c da Constituição Federal. Desde que o valor dos aluguéis seja aplicado nas atividades para as quais tais Entidades foram constituídas.

O patrimônio pertencente aos partidos políticos, sindicatos dos trabalhadores, entidades de assistência social, e entidades educacionais sem fins lucrativos está imune a impostos.

Se o imóvel for alugado a terceiros, o STF manteve a isenção do IPTU, desde que o dinheiro auferido com esses aluguéis seja revertido as finalidades essenciais dessas mesmas pessoas.

  VEJA TAMBÉM
Tribunal de Justiça de São Paulo suspende majoração de ICMS em Ovos de Páscoa
Ativos intangíveis devem ser amortizados no Imposto de Renda Pessoa Jurídica e na Contribuição Social Sobre o lucro liquido de empresas optantes pelo regime de lucro real
Associações do setor de carnes questionam no STF a validade de normas no Estado de São Paulo
Supremo decide pela constitucionalidade na vedação de compartilhamento de informações prestadas ao Regime de repatriação de ativos
Presidente do CNJ, Ministro Luiz Fux, acredita que a reforma tributária pode refrear a judicialização excessiva.
É Inconstitucional a cobrança de ITCMD sobre doações e herança na ausência de Lei Complementar, decide STF.
Setor de serviços e comércio envia documento formal à Secretaria do Governo …
Ministro da Economia pretende adiar pagamento do Simples Nacional para o próximo ano
Câmara do Comércio Exterior estabelece alíquota zero para importação de revólveres e pistolas
Teto para multa em decorrência da dívida de ICMS é de 20% da atividade tributável
STJ acaba com a obrigatoriedade de certidão negativa para a homologação de recuperações judiciais
Projeto de Lei busca maior transparência nas ações dos fiscos.
IBGE afirma que PIB brasileiro cresceu mais de 7% no terceiro trimestre de 2020
A antecipação da revogação de benefício de PIS e Cofins para o mercado varejista será julgada pelo STF
ABAT vai analisar carga tributária sobre bens digitais
Fórum Tributário Nacional discute Reforma Tributária com empresas privadas
Projeto de Lei retira benefícios Tributários de empresas que realizem atos discriminatórios contra seus funcionários.
2ª Turma do STJ decidiu pela incidência de IR e CSLL na correção monetária de investimentos.
Cerca de 3 mil empresas inadimplentes do Simples Nacional podem ficar fora do Regime tributário.
Receita, CNJ, PGFN e CARF, farão acordo para analisar processos do contencioso tributário.
7ª Turma do TRF 1 mantem isenção de IPI para compra de automóvel a portador de orteoartrose primaria e contusão no joelho.
Projeto de Lei Complementar cria nova possibilidade de pagamento de tributos estaduais e municipais.
STJ decidiu que os custos com material não podem ser excluídos do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica com lucro presumido.
TRF3 mantém condenação de empresário por sonegação milionária.
Seguindo entendimento do STF, 6ª Turma do STJ definiu ser indispensável a contumácia na ausência de recolhimento de ICMS para caracterização de crime tributário.
TRF1 decidiu que a conversão do depósito em renda é suficiente para extinção de execução fiscal.
Empresa recebe liminar para reinserção no Simples Nacional após exclusão por inadimplemento de baixo valor
2ª Turma do TRF4 decidiu pela extinção do crédito tributário quando o pagamento é realizado no período de 20 dias após a notificação.
STF decidiu que é constitucional a determinação de alíquotas maiores, quanto à Contribuição ao PIS e à Cofins, para empresas importadoras de autopeças.
Mandado de segurança Coletivo que buscava suspender a exigibilidade de PIS e COFINS é extinto.
Next
Prev
Leave a Response

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nosso blog