Consignacao em pagamento voce sabe o que e
Consignação em pagamento, você sabe o que é?
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

A consignação em pagamento é um meio processual utilizado pelo contribuinte devedor quando ele se vê impedido de pagar o tributo. Neste artigo vamos entender o cabimento da ação de consignação em pagamento e suas principais características.

É importante ficar claro para você quando deve pensar que ação consignatória é a alternativa correta para resolver uma determinada situação, e para isso lembre-se que se um contribuinte busca o poder judiciário em face da Fazenda Pública é porque ele tem uma de três pretensões possíveis: pagar, não pagar, e restituir.

A principal pretensão costuma  mesmo ser de não pagar um tributo, e para isso ações como mandado de segurança, anulatória, embargos à execução são as medidas mais usuais, agora se o contribuinte descobre que pagou um tributo num valor maior do que deveria pagar, ou pagou o tributo que nem precisaria pagar, seu objetivo será de restituir esses valores.

Quando então você tem ação de repetição do indébito, mas e naquelas situações em que o contribuinte sabe que o tributo é devido pretende pagar, porém em razão de algum obstáculo imposto pela própria Fazenda Pública ele simplesmente não consegue pagar?

Leia também: Covid 19 e o Empréstimo Compulsório

É aqui que entra a consignação em pagamento, o contribuinte quer pagar, mas existe alguma condição colocada pela Fazenda Pública que impede esse pagamento, essa é a forma mais fácil de memorizar.

Chegou o momento de entrarmos nos detalhes, é muito importante que você conheça o que Código Tributário Nacional tem para falar a respeito, o Artigo 164.

A importância de crédito tributário pode ser consignada judicialmente pelo sujeito passivo, nos casos:

I – De recusa de recebimento, ou subordinação deste ao pagamento de outro tributo ou de penalidade, ou ao cumprimento de obrigação acessória;

II – De subordinação do recebimento ao cumprimento de exigências administrativas sem fundamento legal;

III – De exigência, por mais de uma pessoa jurídica de direito público, de tributo idêntico sobre um mesmo fato gerador.

Temos aqui três situações para consignação em pagamento:

O contribuinte que pagar, mas a Fazenda Pública se recusa injustificadamente a receber os valores. O contribuinte quer pagar, mas a Fazenda Pública subordina o pagamento do tributo ao pagamento de outros tributos, ao pagamento de penalidade, ou ainda condiciona o pagamento ao cumprimento de uma obrigação acessória, e até mesmo subordinam o pagamento do tributo ao cumprimento de alguma exigência administrativa que simplesmente não esteja prevista em lei.

E na hipótese de bitributação que aquele caso no qual dois entes federados exigem tributos sobre o mesmo fato gerador.

Das três situações recusa, subordinação e bitributação é sobre essa última que surgem algumas das principais dúvidas.

Se existem dois entes federados cobrando o tributo sobre o mesmo fato gerador, contra qual desses você deve ingressar com ação de consignação em pagamento?

Em face dos dois e eles que “se virem” para provar quem é que realmente tem direito para receber o tributo cujo valor foi consignado pelo contribuinte, quando um dos entes federados que exige o tributo for a União a consignação será de competência da Justiça Federal mesmo que o contribuinte entenda que o tributo devido é do outro ente federado.

E por fim como somente o depósito no montante integral é capaz de suspender a exigibilidade do crédito tributário na hipótese de bitributação, o contribuinte deve considerar consignar sempre um maior valor.

Porque assim haverá suspensão das duas cobranças de ao final do processo o juiz entender que é devido o tributo de menor valor não tem problema nenhum, porque dada sentença o montante correto será convertido em renda a favor do ente federado de direito, e eventual saldo será levantado pelo contribuinte.

  VEJA TAMBÉM
Tribunal de Justiça de São Paulo suspende majoração de ICMS em Ovos de Páscoa
Ativos intangíveis devem ser amortizados no Imposto de Renda Pessoa Jurídica e na Contribuição Social Sobre o lucro liquido de empresas optantes pelo regime de lucro real
Associações do setor de carnes questionam no STF a validade de normas no Estado de São Paulo
Supremo decide pela constitucionalidade na vedação de compartilhamento de informações prestadas ao Regime de repatriação de ativos
Presidente do CNJ, Ministro Luiz Fux, acredita que a reforma tributária pode refrear a judicialização excessiva.
É Inconstitucional a cobrança de ITCMD sobre doações e herança na ausência de Lei Complementar, decide STF.
Setor de serviços e comércio envia documento formal à Secretaria do Governo …
Ministro da Economia pretende adiar pagamento do Simples Nacional para o próximo ano
Câmara do Comércio Exterior estabelece alíquota zero para importação de revólveres e pistolas
Teto para multa em decorrência da dívida de ICMS é de 20% da atividade tributável
STJ acaba com a obrigatoriedade de certidão negativa para a homologação de recuperações judiciais
Projeto de Lei busca maior transparência nas ações dos fiscos.
IBGE afirma que PIB brasileiro cresceu mais de 7% no terceiro trimestre de 2020
A antecipação da revogação de benefício de PIS e Cofins para o mercado varejista será julgada pelo STF
ABAT vai analisar carga tributária sobre bens digitais
Fórum Tributário Nacional discute Reforma Tributária com empresas privadas
Projeto de Lei retira benefícios Tributários de empresas que realizem atos discriminatórios contra seus funcionários.
2ª Turma do STJ decidiu pela incidência de IR e CSLL na correção monetária de investimentos.
Cerca de 3 mil empresas inadimplentes do Simples Nacional podem ficar fora do Regime tributário.
Receita, CNJ, PGFN e CARF, farão acordo para analisar processos do contencioso tributário.
7ª Turma do TRF 1 mantem isenção de IPI para compra de automóvel a portador de orteoartrose primaria e contusão no joelho.
Projeto de Lei Complementar cria nova possibilidade de pagamento de tributos estaduais e municipais.
STJ decidiu que os custos com material não podem ser excluídos do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica com lucro presumido.
TRF3 mantém condenação de empresário por sonegação milionária.
Seguindo entendimento do STF, 6ª Turma do STJ definiu ser indispensável a contumácia na ausência de recolhimento de ICMS para caracterização de crime tributário.
TRF1 decidiu que a conversão do depósito em renda é suficiente para extinção de execução fiscal.
Empresa recebe liminar para reinserção no Simples Nacional após exclusão por inadimplemento de baixo valor
2ª Turma do TRF4 decidiu pela extinção do crédito tributário quando o pagamento é realizado no período de 20 dias após a notificação.
STF decidiu que é constitucional a determinação de alíquotas maiores, quanto à Contribuição ao PIS e à Cofins, para empresas importadoras de autopeças.
Mandado de segurança Coletivo que buscava suspender a exigibilidade de PIS e COFINS é extinto.
Next
Prev
Leave a Response

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nosso blog