Constitucionalidade dos honorários de
Constitucionalidade dos honorários de sucumbência contra a fazenda pública será considerada pelo stf
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL MODIFICOU A LEI PRELIMINAR NA QUAL SE REFERE AOS HONORÁRIOS DE SUCUMBÊNCIA NAS CAUSAS EM QUE A FAZENDA PÚBLICA É PARTE (§§3º, 5º E 8º DO ART. 85 DO CPC/2015).

Nos preceitos da nova lei, se a Fazenda Pública for derrotada, são empregados percentuais sobre os custos da autuação para a averiguação dos pagos devidos, os quais reduzem a intensidade contrária ao crescimento dos valores envolvidos.

Apesar de a nova regra ser evidente, sem explicação alguma, diversos tribunais têm se distanciado de sua utilização, prioritariamente em causas de sentença elevada, determinando honorários de sucumbência bem menor aos estabelecidos no CPC.

Para não adequar a nova determinação, várias alegações têm sido utilizadas, como a transgressão ao princípio da equidade, do discernimento e da proporcionalidade.

Leia também: Institutos de Direito Privado no Direito Tributário – Arts. 109 e 110 do CTN

Por conta de repetidas decisões opostas aos interesses dos advogados, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil – CFOAB, avaliou Ação Declaratória de Constitucionalidade (Medida Cautelar na Ação Declaratória de Constitucionalidade nº 71 Distrito Federal), justificando que “ao deixar de analisar os mandos objetivos da legislação processual, os tribunais desafiam o preceitos da legitimidade e da confiança jurídica, sancionados no art. 5º, caput, II e XXXVI, da CF/1988, como também insultam o direito ao justo vencimento dos advogados, próprio a atuação de atividade indispensável à gestão da justiça, assim como dispõe o art. 133 da CF/1988.”

A OAB contendeu ainda, outorgar a medida cautelar, para estabelecer o cumprimento obrigatório dos dispositivos constantes nos §§ 3º e 5º e do art. 85 do CPC/2015 e para distanciar o emprego do §8º fora das intransigentes conjecturas legais nele expostos (motivos em que o benefício econômico for incalculável ou grotesco ou em que o valor da causa for inferior).

Ao observar o pedido de liminar, o Ministro Celso Melo determinou que o Supremo Tribunal Federal compreenda a eventualidade do pedido de liminar, frente a aplicação analógica do art. 12 da Lei nº 9.868/99 a atuação da ação declaratória de constitucionalidade. Referido artigo expõe:
“Art. 12. Havendo pedido de medida cautelar, o relator, em face da relevância da matéria e de seu especial significado para a ordem social e a segurança jurídica, poderá, após a prestação das informações, no prazo de dez dias, e a manifestação do Advogado-Geral da União e do Procurador-Geral da República, sucessivamente, no prazo de cinco dias, submeter o processo diretamente ao Tribunal, que terá a faculdade de julgar definitivamente a ação.”

Sendo assim, a ocorrência citada será julgada em breve e logo teremos o apaziguamento da questão, que tem levado a incontáveis recursos e ampliado o litigioso.

  VEJA TAMBÉM
Tribunal de Justiça de São Paulo suspende majoração de ICMS em Ovos de Páscoa
Ativos intangíveis devem ser amortizados no Imposto de Renda Pessoa Jurídica e na Contribuição Social Sobre o lucro liquido de empresas optantes pelo regime de lucro real
Associações do setor de carnes questionam no STF a validade de normas no Estado de São Paulo
Supremo decide pela constitucionalidade na vedação de compartilhamento de informações prestadas ao Regime de repatriação de ativos
Presidente do CNJ, Ministro Luiz Fux, acredita que a reforma tributária pode refrear a judicialização excessiva.
É Inconstitucional a cobrança de ITCMD sobre doações e herança na ausência de Lei Complementar, decide STF.
Setor de serviços e comércio envia documento formal à Secretaria do Governo …
Ministro da Economia pretende adiar pagamento do Simples Nacional para o próximo ano
Câmara do Comércio Exterior estabelece alíquota zero para importação de revólveres e pistolas
Teto para multa em decorrência da dívida de ICMS é de 20% da atividade tributável
STJ acaba com a obrigatoriedade de certidão negativa para a homologação de recuperações judiciais
Projeto de Lei busca maior transparência nas ações dos fiscos.
IBGE afirma que PIB brasileiro cresceu mais de 7% no terceiro trimestre de 2020
A antecipação da revogação de benefício de PIS e Cofins para o mercado varejista será julgada pelo STF
ABAT vai analisar carga tributária sobre bens digitais
Fórum Tributário Nacional discute Reforma Tributária com empresas privadas
Projeto de Lei retira benefícios Tributários de empresas que realizem atos discriminatórios contra seus funcionários.
2ª Turma do STJ decidiu pela incidência de IR e CSLL na correção monetária de investimentos.
Cerca de 3 mil empresas inadimplentes do Simples Nacional podem ficar fora do Regime tributário.
Receita, CNJ, PGFN e CARF, farão acordo para analisar processos do contencioso tributário.
7ª Turma do TRF 1 mantem isenção de IPI para compra de automóvel a portador de orteoartrose primaria e contusão no joelho.
Projeto de Lei Complementar cria nova possibilidade de pagamento de tributos estaduais e municipais.
STJ decidiu que os custos com material não podem ser excluídos do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica com lucro presumido.
TRF3 mantém condenação de empresário por sonegação milionária.
Seguindo entendimento do STF, 6ª Turma do STJ definiu ser indispensável a contumácia na ausência de recolhimento de ICMS para caracterização de crime tributário.
TRF1 decidiu que a conversão do depósito em renda é suficiente para extinção de execução fiscal.
Empresa recebe liminar para reinserção no Simples Nacional após exclusão por inadimplemento de baixo valor
2ª Turma do TRF4 decidiu pela extinção do crédito tributário quando o pagamento é realizado no período de 20 dias após a notificação.
STF decidiu que é constitucional a determinação de alíquotas maiores, quanto à Contribuição ao PIS e à Cofins, para empresas importadoras de autopeças.
Mandado de segurança Coletivo que buscava suspender a exigibilidade de PIS e COFINS é extinto.
Next
Prev
Leave a Response

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nosso blog