Dívidas de árdua recuperação com o Simples podem ser parcelados - fernando conceiçao ramos
Dívidas de árdua recuperação com o Simples podem ser parcelados
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

As micro e pequenas empresas com dívidas no Simples Nacional considerados de recuperação dificultosa terão até 29 de dezembro para reivindicar o parcelamento em quase 12 anos com redução nas multas e nos juros. A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) regimentou o parcelamento especial para os pequenos negócios afetados pela pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Apenas dívidas classificadas como C e D – de restabelecimento difícil ou muito difícil – serão parceladas. Débitos de micro e pequenas empresas falidas ou em busca de recuperação judicial imediatamente serão considerados sem recuperação, segundo a PGFN

Leia também: Acordo de dívidas do Simples com a União reduz impactos da pandemia

O contributário deverá comprovar à PGFN os abalos financeiros causados pela pandemia. A PGFN avaliará o potencial de pagamento dos pequenos negócios e efetuará uma proposta de parcelamento, constituída de uma entrada de 4% da dívida com classificação C e D parcelada em 12 meses do saldo restante em até 133 meses, com pagamento mínimo de R$ 100.

Desconto – Conforme o número de parcelas, o contributário poderá ter desconto de até 100% nas multas, nos juros e nos encargos legais. O percentual será determinado baseado na eficácia do pagamento e no prazo de negociação selecionado, porém a redução não será maior que 70% do valor total do débito.

Pela norma da PGFN, conceitua-se abalo na eficácia de pagamento a contenção, seja qual for o percentual, da soma dos ganhos brutos mensal de 2020, iniciando em março e findando no mês consecutivamente antecedente ao mês de adesão, no tocante à soma dos ganhos bruto mensal do mesmo período de 2019.

Para aderir, basta O contribuinte entrar no site da PGFN e clicar na opção “negociação de dívida” e depois em “acessar o Sispar”. No menu “declaração de receita/rendimento”, o contribuinte deverá preencher um formulário eletrônico e aguardar a proposta da PGFN.

Apenas depois de ter o débito confirmado com classificação C ou D, o contributário irá receber a proposta e assim pedir a adesão, disponível no menu “adesão” e na opção “transação”. O parcelamento especial só é concretizado após a quitação da primeira parcela.

Esse acordo se tornará inválido se a primeira parcela não for paga até a data de vencimento, que é o último dia útil do mês da adesão. Diante disso, o contribuinte terá que realizar novamente o pedido de adesão novamente, até o último dia do prazo, em 29 de dezembro.

  VEJA TAMBÉM
Tribunal de Justiça de São Paulo suspende majoração de ICMS em Ovos de Páscoa
Ativos intangíveis devem ser amortizados no Imposto de Renda Pessoa Jurídica e na Contribuição Social Sobre o lucro liquido de empresas optantes pelo regime de lucro real
Associações do setor de carnes questionam no STF a validade de normas no Estado de São Paulo
Supremo decide pela constitucionalidade na vedação de compartilhamento de informações prestadas ao Regime de repatriação de ativos
Presidente do CNJ, Ministro Luiz Fux, acredita que a reforma tributária pode refrear a judicialização excessiva.
É Inconstitucional a cobrança de ITCMD sobre doações e herança na ausência de Lei Complementar, decide STF.
Setor de serviços e comércio envia documento formal à Secretaria do Governo …
Ministro da Economia pretende adiar pagamento do Simples Nacional para o próximo ano
Câmara do Comércio Exterior estabelece alíquota zero para importação de revólveres e pistolas
Teto para multa em decorrência da dívida de ICMS é de 20% da atividade tributável
STJ acaba com a obrigatoriedade de certidão negativa para a homologação de recuperações judiciais
Projeto de Lei busca maior transparência nas ações dos fiscos.
IBGE afirma que PIB brasileiro cresceu mais de 7% no terceiro trimestre de 2020
A antecipação da revogação de benefício de PIS e Cofins para o mercado varejista será julgada pelo STF
ABAT vai analisar carga tributária sobre bens digitais
Fórum Tributário Nacional discute Reforma Tributária com empresas privadas
Projeto de Lei retira benefícios Tributários de empresas que realizem atos discriminatórios contra seus funcionários.
2ª Turma do STJ decidiu pela incidência de IR e CSLL na correção monetária de investimentos.
Cerca de 3 mil empresas inadimplentes do Simples Nacional podem ficar fora do Regime tributário.
Receita, CNJ, PGFN e CARF, farão acordo para analisar processos do contencioso tributário.
7ª Turma do TRF 1 mantem isenção de IPI para compra de automóvel a portador de orteoartrose primaria e contusão no joelho.
Projeto de Lei Complementar cria nova possibilidade de pagamento de tributos estaduais e municipais.
STJ decidiu que os custos com material não podem ser excluídos do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica com lucro presumido.
TRF3 mantém condenação de empresário por sonegação milionária.
Seguindo entendimento do STF, 6ª Turma do STJ definiu ser indispensável a contumácia na ausência de recolhimento de ICMS para caracterização de crime tributário.
TRF1 decidiu que a conversão do depósito em renda é suficiente para extinção de execução fiscal.
Empresa recebe liminar para reinserção no Simples Nacional após exclusão por inadimplemento de baixo valor
2ª Turma do TRF4 decidiu pela extinção do crédito tributário quando o pagamento é realizado no período de 20 dias após a notificação.
STF decidiu que é constitucional a determinação de alíquotas maiores, quanto à Contribuição ao PIS e à Cofins, para empresas importadoras de autopeças.
Mandado de segurança Coletivo que buscava suspender a exigibilidade de PIS e COFINS é extinto.
Next
Prev
Leave a Response

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nosso blog