Estado terá que se desistir de protestar Certidões de Dívidas Ativas - fernando Ramos Advocacia
Estado terá que se desistir de protestar Certidões de Dívidas Ativas
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Adriano Marcos Laroca, juiz da 12ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, conferiu liminar para que o Estado de São Paulo desista de tomar medidas repressivas de recebimento de créditos tributários até dezembro de 2020, tempo instituído como calamidade pública por decreto federal.

A percepção é que nas circunstâncias desse momento de crise, a oferta e a aquisição de crédito com o sistema financeiro obtém maior destaque para a recuperação econômica, uma vez que providências restritivas podem acentuar a condição das empresas.

Leia também: Tratado entre União e contribuintes é bem-aceito entre tributaristas

O juiz deliberou que a Procuradoria do Estado terá que se desistir de protestar Certidões de Dívidas Ativas (CDA), inserir empresas no Cadin Estadual, relativos a fundamentos anteriores, ou não, à pandemia da Covid-19, além de expedir certidão negativa ou positiva com ação de negativa, uma vez que abranjam apenas créditos vencidos e não pagos logo após início da pandemia.

“A atual liminar não confere moratória aos contribuidores dos impostos estaduais, seja pelo adiamento do período para pagar ou outorga de novo período para adimplemento das cobranças tributárias, primordial e acessória, mas apenas impede medidas repressivas de obrigações de créditos tributários, já incluídos em dívida ativa.

Também não impossibilita a contiguidade das operações fiscais, por evidente, nem das autuações, tampouco a inclusão em dívida ativa dos parâmetros tributários decididamente constituídos”, preferiu o juiz.

De acordo com o juiz, apesar de o estado estar em recuperação gradativa das atividades econômicas, a estagnação, “a pior desde 2ª Guerra Mundial”, e seus resultados negativos nos rendimentos das empresas ainda continuam, “e talvez continuarão por um curto ou médio tempo, conforme cenário projetado por especialistas”.

Deste modo, a permissão da liminar, na percepção do juiz, inclina-se a conservar empresas e empregos, “já que as primeiras não receberão contenção na aquisição de crédito para prosseguir desempenhando sua atividade econômica”.

Finalmente, o juiz completou que “a liminar, conforme foi consentida, não diminui o recolhimento fiscal do Estado, indispensável, para o custeamento dos serviços públicos imprescindíveis, dentre eles, o da saúde. Embora saiba-se que, para alguns contribuidores, tais providências opressoras não executivas podem induzir no pagamento dos tributos”.

  VEJA TAMBÉM
Tribunal de Justiça de São Paulo suspende majoração de ICMS em Ovos de Páscoa
Ativos intangíveis devem ser amortizados no Imposto de Renda Pessoa Jurídica e na Contribuição Social Sobre o lucro liquido de empresas optantes pelo regime de lucro real
Associações do setor de carnes questionam no STF a validade de normas no Estado de São Paulo
Supremo decide pela constitucionalidade na vedação de compartilhamento de informações prestadas ao Regime de repatriação de ativos
Presidente do CNJ, Ministro Luiz Fux, acredita que a reforma tributária pode refrear a judicialização excessiva.
É Inconstitucional a cobrança de ITCMD sobre doações e herança na ausência de Lei Complementar, decide STF.
Setor de serviços e comércio envia documento formal à Secretaria do Governo …
Ministro da Economia pretende adiar pagamento do Simples Nacional para o próximo ano
Câmara do Comércio Exterior estabelece alíquota zero para importação de revólveres e pistolas
Teto para multa em decorrência da dívida de ICMS é de 20% da atividade tributável
STJ acaba com a obrigatoriedade de certidão negativa para a homologação de recuperações judiciais
Projeto de Lei busca maior transparência nas ações dos fiscos.
IBGE afirma que PIB brasileiro cresceu mais de 7% no terceiro trimestre de 2020
A antecipação da revogação de benefício de PIS e Cofins para o mercado varejista será julgada pelo STF
ABAT vai analisar carga tributária sobre bens digitais
Fórum Tributário Nacional discute Reforma Tributária com empresas privadas
Projeto de Lei retira benefícios Tributários de empresas que realizem atos discriminatórios contra seus funcionários.
2ª Turma do STJ decidiu pela incidência de IR e CSLL na correção monetária de investimentos.
Cerca de 3 mil empresas inadimplentes do Simples Nacional podem ficar fora do Regime tributário.
Receita, CNJ, PGFN e CARF, farão acordo para analisar processos do contencioso tributário.
7ª Turma do TRF 1 mantem isenção de IPI para compra de automóvel a portador de orteoartrose primaria e contusão no joelho.
Projeto de Lei Complementar cria nova possibilidade de pagamento de tributos estaduais e municipais.
STJ decidiu que os custos com material não podem ser excluídos do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica com lucro presumido.
TRF3 mantém condenação de empresário por sonegação milionária.
Seguindo entendimento do STF, 6ª Turma do STJ definiu ser indispensável a contumácia na ausência de recolhimento de ICMS para caracterização de crime tributário.
TRF1 decidiu que a conversão do depósito em renda é suficiente para extinção de execução fiscal.
Empresa recebe liminar para reinserção no Simples Nacional após exclusão por inadimplemento de baixo valor
2ª Turma do TRF4 decidiu pela extinção do crédito tributário quando o pagamento é realizado no período de 20 dias após a notificação.
STF decidiu que é constitucional a determinação de alíquotas maiores, quanto à Contribuição ao PIS e à Cofins, para empresas importadoras de autopeças.
Mandado de segurança Coletivo que buscava suspender a exigibilidade de PIS e COFINS é extinto.
Next
Prev
Leave a Response

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nosso blog