Incide iss nas exportacoes de servicos
Incide ISS nas exportações de serviços?
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Está sendo analisado pela Primeira Turma do STJ se há ou não exportação de serviços no caso objeto do AREsp 1.150.353/SP.

Este é um assunto extremamente polêmico que tem gerado muitas discussões entre o fisco e os contribuintes.

Exportação de serviços, quais são as operações que realmente ficam fora do campo de incidência do ISS?

Neste artigo vamos conversar sobre aspectos constitucionais e, aspectos da lei complementar 116/03.

É importante entendermos um pouco como é que a matéria está disciplinada na constituição, e na lei complementar 116/03.

Na nossa Constituição Federal de 1988 diz que cabe ao legislador complementar, portanto, aquela lei complementar editada pelo Congresso Nacional exclui da incidência do ISS às chamadas exportações de serviços.

Na lei complementar 116 que foi editada em 2003, no caput do artigo 2º, parágrafo único da lei está transcrita a mesma regra da Constituição, que o ISS não incide sobre as exportações de serviços.

O conflito é com o parágrafo único, onde o legislador fez a opção por deixar claro na lei qual é a operação que não se caracteriza como exportação.

No parágrafo único está escrito que não considera exportação aqueles serviços que: “desenvolvidos no Brasil, cujo resultado aqui se verifique, ainda que o pagamento seja feito por residente no exterior.” 

O legislador então considerou a exportação, ele partiu do pressuposto que é algo feito em território nacional, o chamado

desenvolvimento do serviço, que pode ser considerado como o sinônimo de execução de serviço.

A lei tributária não pode alterar o conceito e, as definições que são dadas pelo direito privado.

O que é exportação, qual é o conceito que eu tenho para essa

operação que que está prevista na lei do ISS, mas que não foi

conceituada por ela?

Exportação compreende a saída temporária ou definitiva de bens ou serviços do território nacional.

Então sempre diante da saída temporária ou definitiva

do território nacional de bens ou serviços estamos diante de uma

exportação.

A lei do ISS modificou um pouquinho esta regra, a lei do ISS diz assim: não se considera exportação se o serviço foi desenvolvido aqui, e cujo resultado aqui também se verifique, isso não é exportação e eu pago ISS.

Se o serviço foi desenvolvido aqui, e o resultado ocorrer fora do país essa é a exportação que fica fora do campo de incidência do ISS.

Então para o legislador complementar no caso específico do ISS só não paga o imposto municipal àquela operação desenvolvida no Brasil, serviço prestado no Brasil, cujo resultado se verifique em território estrangeiro.

O nosso grande problema hoje é a definição e o conceito

da palavra resultado.

O que será que é resultado do serviço?

Não podemos confundir desenvolvimento com o resultado, o serviço precisa ser executado aqui, e desenvolvido em território brasileiro, o que não pode ocorrer aqui para ser exportação é o seu resultado.

Hoje tem sido um grande problema trazendo muita insegurança jurídica para os contribuintes, não há ainda um posicionamento pacífico, seguro no poder judiciário.

Encontramos diversas decisões em que, o poder judiciário ora considerou como exportação e mandou excluir da incidência do ISS, ora decisões em que entendeu que não era exportação, e que o contribuinte deveria pagar ISS naquela operação. Em caso de dúvida solicite orientação jurídica

  VEJA TAMBÉM
Tribunal de Justiça de São Paulo suspende majoração de ICMS em Ovos de Páscoa
Ativos intangíveis devem ser amortizados no Imposto de Renda Pessoa Jurídica e na Contribuição Social Sobre o lucro liquido de empresas optantes pelo regime de lucro real
Associações do setor de carnes questionam no STF a validade de normas no Estado de São Paulo
Supremo decide pela constitucionalidade na vedação de compartilhamento de informações prestadas ao Regime de repatriação de ativos
Presidente do CNJ, Ministro Luiz Fux, acredita que a reforma tributária pode refrear a judicialização excessiva.
É Inconstitucional a cobrança de ITCMD sobre doações e herança na ausência de Lei Complementar, decide STF.
Setor de serviços e comércio envia documento formal à Secretaria do Governo …
Ministro da Economia pretende adiar pagamento do Simples Nacional para o próximo ano
Câmara do Comércio Exterior estabelece alíquota zero para importação de revólveres e pistolas
Teto para multa em decorrência da dívida de ICMS é de 20% da atividade tributável
STJ acaba com a obrigatoriedade de certidão negativa para a homologação de recuperações judiciais
Projeto de Lei busca maior transparência nas ações dos fiscos.
IBGE afirma que PIB brasileiro cresceu mais de 7% no terceiro trimestre de 2020
A antecipação da revogação de benefício de PIS e Cofins para o mercado varejista será julgada pelo STF
ABAT vai analisar carga tributária sobre bens digitais
Fórum Tributário Nacional discute Reforma Tributária com empresas privadas
Projeto de Lei retira benefícios Tributários de empresas que realizem atos discriminatórios contra seus funcionários.
2ª Turma do STJ decidiu pela incidência de IR e CSLL na correção monetária de investimentos.
Cerca de 3 mil empresas inadimplentes do Simples Nacional podem ficar fora do Regime tributário.
Receita, CNJ, PGFN e CARF, farão acordo para analisar processos do contencioso tributário.
7ª Turma do TRF 1 mantem isenção de IPI para compra de automóvel a portador de orteoartrose primaria e contusão no joelho.
Projeto de Lei Complementar cria nova possibilidade de pagamento de tributos estaduais e municipais.
STJ decidiu que os custos com material não podem ser excluídos do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica com lucro presumido.
TRF3 mantém condenação de empresário por sonegação milionária.
Seguindo entendimento do STF, 6ª Turma do STJ definiu ser indispensável a contumácia na ausência de recolhimento de ICMS para caracterização de crime tributário.
TRF1 decidiu que a conversão do depósito em renda é suficiente para extinção de execução fiscal.
Empresa recebe liminar para reinserção no Simples Nacional após exclusão por inadimplemento de baixo valor
2ª Turma do TRF4 decidiu pela extinção do crédito tributário quando o pagamento é realizado no período de 20 dias após a notificação.
STF decidiu que é constitucional a determinação de alíquotas maiores, quanto à Contribuição ao PIS e à Cofins, para empresas importadoras de autopeças.
Mandado de segurança Coletivo que buscava suspender a exigibilidade de PIS e COFINS é extinto.
Next
Prev
Leave a Response

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nosso blog