Programa Nacional de Apoio as Microempresas
Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe)
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Em 18 de maio de 2020 foi publicada a Lei nº 13.999, a qual Institui o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), para o desenvolvimento e o fortalecimento dos pequenos negócios, cujo programa é vinculado à Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia.

Fique atento: a lei 13.999 altera as seguintes Leis: Nº 13.636, de 20 de março de 2018, Nº 10.735, de 11 de setembro de 2003, e Nº 9.790, de 23 de março de 1999.

Para quem se destina esse programa?

Para responder essa pergunta, é necessário verificar os incisos I e II do caput do art. 3º da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006. Neles, dispõe:

I – no caso da microempresa, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta igual ou inferior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais); e

II – no caso de empresa de pequeno porte, aufira, em cada ano-calendário, receita bruta superior a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais).      

Quais as instituições operadoras desse programa?

A primeira ressalva importante a ser feita acerca das fontes de recursos desse programa é que o Governo não vai disponibilizar nenhuma quantia, sendo responsável por isso somente as instituições financeiras operadoras. Vamos ver quem poderá aderir a esse programa:

  • Banco do Brasil S.A.,  
  • Caixa Econômica Federal,  
  • Banco do Nordeste do Brasil S.A.,  
  • Banco da Amazônia S.A.,  
  • Bancos estaduais e as agências de fomento estaduais, 
  • Cooperativas de crédito e os bancos cooperados, 
  • Instituições integrantes do sistema de pagamentos brasileiro,  
  • Plataformas tecnológicas de serviços financeiros (fintechs),  
  • Organizações da sociedade civil de interesse público de crédito, e 
  • Demais instituições financeiras públicas e privadas autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. 

Pode ser que a sua instituição financeira já esteja por dentro do programa, então é importante estar atendo a isso. Entre em contato com o seu banco e informe-se.

Como funciona o Pronampe?

As empresas que irão aderir a esse programa poderão conseguir empréstimos de até 30% da receita bruta anual registrada no ano passado (2019).

Por exemplo, se o seu caso é de microempresa, se na sua receita anual bruta consta o valor de R$ 200.000,00, o limite da sua operação é de R$ 60.000,00. E nos casos das empresas de pequeno porte, se a receita bruta anual for de R$ 800.000,00, o limite da operação poderá ser de R$ 240.000,00.

Contudo, nos casos de empresas com menos de um ano funcionando, o limite de empréstimo poderá ser de até 50% do capital social ou até 30% da média do faturamento mensal, fica ao critério do que for mais vantajoso.

O intuito desse programa é que as operações de crédito poderão ser utilizadas para investimentos em geral. Na prática, as micro e pequenas empresas poderão usar esses recursos para realizar investimentos em seu negócio, ou, em outros casos, destinar para despesas operacionais.

  VEJA TAMBÉM
Tribunal de Justiça de São Paulo suspende majoração de ICMS em Ovos de Páscoa
Ativos intangíveis devem ser amortizados no Imposto de Renda Pessoa Jurídica e na Contribuição Social Sobre o lucro liquido de empresas optantes pelo regime de lucro real
Associações do setor de carnes questionam no STF a validade de normas no Estado de São Paulo
Supremo decide pela constitucionalidade na vedação de compartilhamento de informações prestadas ao Regime de repatriação de ativos
Presidente do CNJ, Ministro Luiz Fux, acredita que a reforma tributária pode refrear a judicialização excessiva.
É Inconstitucional a cobrança de ITCMD sobre doações e herança na ausência de Lei Complementar, decide STF.
Setor de serviços e comércio envia documento formal à Secretaria do Governo …
Ministro da Economia pretende adiar pagamento do Simples Nacional para o próximo ano
Câmara do Comércio Exterior estabelece alíquota zero para importação de revólveres e pistolas
Teto para multa em decorrência da dívida de ICMS é de 20% da atividade tributável
STJ acaba com a obrigatoriedade de certidão negativa para a homologação de recuperações judiciais
Projeto de Lei busca maior transparência nas ações dos fiscos.
IBGE afirma que PIB brasileiro cresceu mais de 7% no terceiro trimestre de 2020
A antecipação da revogação de benefício de PIS e Cofins para o mercado varejista será julgada pelo STF
ABAT vai analisar carga tributária sobre bens digitais
Fórum Tributário Nacional discute Reforma Tributária com empresas privadas
Projeto de Lei retira benefícios Tributários de empresas que realizem atos discriminatórios contra seus funcionários.
2ª Turma do STJ decidiu pela incidência de IR e CSLL na correção monetária de investimentos.
Cerca de 3 mil empresas inadimplentes do Simples Nacional podem ficar fora do Regime tributário.
Receita, CNJ, PGFN e CARF, farão acordo para analisar processos do contencioso tributário.
7ª Turma do TRF 1 mantem isenção de IPI para compra de automóvel a portador de orteoartrose primaria e contusão no joelho.
Projeto de Lei Complementar cria nova possibilidade de pagamento de tributos estaduais e municipais.
STJ decidiu que os custos com material não podem ser excluídos do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica com lucro presumido.
TRF3 mantém condenação de empresário por sonegação milionária.
Seguindo entendimento do STF, 6ª Turma do STJ definiu ser indispensável a contumácia na ausência de recolhimento de ICMS para caracterização de crime tributário.
TRF1 decidiu que a conversão do depósito em renda é suficiente para extinção de execução fiscal.
Empresa recebe liminar para reinserção no Simples Nacional após exclusão por inadimplemento de baixo valor
2ª Turma do TRF4 decidiu pela extinção do crédito tributário quando o pagamento é realizado no período de 20 dias após a notificação.
STF decidiu que é constitucional a determinação de alíquotas maiores, quanto à Contribuição ao PIS e à Cofins, para empresas importadoras de autopeças.
Mandado de segurança Coletivo que buscava suspender a exigibilidade de PIS e COFINS é extinto.
Next
Prev
Leave a Response

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nosso blog