STF decide que e constitucional a expedicao de precatorio para pagamento de parte incontroversa
STF decide que é constitucional a expedição de precatório para pagamento de parte incontroversa
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

O Plenário resolveu por unanimidade que não é preciso esperar a decisão definitiva (trânsito em julgado) de toda a condenação para a abertura da execução por parte não questionada da dívida.

Sendo a repercussão comum: “Surge constitucional expedição de precatório ou requisição de pequeno valor para pagamento da parte incontroversa e autônoma do pronunciamento judicial, transitado em julgado, observada a importância total executada para efeitos de dimensionamento como obrigação de pequeno valor”. 

O ministro relator teve entendimento da expressão “sentenças transitadas em julgado”, como encontrada no Art. 100 da Constituição Federal do Brasil, não significando a obrigatoriedade do trânsito ajuizado enquanto o pronunciamento judicial. Para o ministro relator, pode facilmente ser entendido como transitada em julgada uma parte autônoma já preclusa.

Histórico

A decisão reformou o antigo acórdão do TJSP. O DER – Departamento de Estrada e Rodagem do Estado de São Paulo solicitou a consideração da incoerência de despachar precatório antes mesmo do trânsito em julgado dos embargos à execução.

Em consideração, o TJSP percebeu que, nos casos onde os embargos forem parciais, permanece um valor incontroverso e apartou o fracionamento do precatório, por compreender que é vedada “a expedição de precatórios complementares ou suplementares de valor pago, bem como o fracionamento, repartição ou quebra do valor da execução”.

Acidente

A emenda articulava sobre à obrigação do DER do Estado de São Paulo por qualquer acidente advindo em rodovia sob sua responsabilidade e a condenação do pagamento de restituição ao proprietário do veículo, incluindo juros com correção, a partir da data do acontecido.

Não satisfeito com o indicador de apuração utilizado, sendo a autarquia do Estado de São Paulo apelou, e o juízo de primeiro grau sustentou a execução em relação ao valor não questionado.

Em seguida, o TJ-SP compreendeu como já dito acima que o pagamento é parte é entendeu que o prosseguimento da execução em relação à parte devida e em nada muda o modo de precatórios.

No fracionamento

No RE interpelado ao Supremo, o DER-São Paulo mantinha que a Constituição proibisse o despacho de pedidos para quitação do valor incontroverso, sem o trânsito julgado da decisão dita.

Sendo assim a característica fracionada de precatório, visando o valor controverso e incontroverso ambos separadamente.

No entanto estando dentro do limite legal das obrigações de baixo valor, desse modo, quando somados ultrapassam o limite do valor máximo, configurando assim a violação a ordem cronológica de pagamento.

Parte incontroversa

O ministro relator Marco Aurélio, ressaltou que, quão a condenação foi examinada apenas em partes pelo DER-SP (Departamento de Estrada e Rodagem do Estado de São Paulo), passando a existir a parte incontestável que não está mais obrigada a modificação por meio de recursos.

No entendimento do ministro, não é razoável o impedimento da execução confinante da parte do título judicial não sendo mais passível de mudança até que o trânsito ajuizado do pronunciamento judicial na totalidade.

  VEJA TAMBÉM
Tribunal de Justiça de São Paulo suspende majoração de ICMS em Ovos de Páscoa
Ativos intangíveis devem ser amortizados no Imposto de Renda Pessoa Jurídica e na Contribuição Social Sobre o lucro liquido de empresas optantes pelo regime de lucro real
Associações do setor de carnes questionam no STF a validade de normas no Estado de São Paulo
Supremo decide pela constitucionalidade na vedação de compartilhamento de informações prestadas ao Regime de repatriação de ativos
Presidente do CNJ, Ministro Luiz Fux, acredita que a reforma tributária pode refrear a judicialização excessiva.
É Inconstitucional a cobrança de ITCMD sobre doações e herança na ausência de Lei Complementar, decide STF.
Setor de serviços e comércio envia documento formal à Secretaria do Governo …
Ministro da Economia pretende adiar pagamento do Simples Nacional para o próximo ano
Câmara do Comércio Exterior estabelece alíquota zero para importação de revólveres e pistolas
Teto para multa em decorrência da dívida de ICMS é de 20% da atividade tributável
STJ acaba com a obrigatoriedade de certidão negativa para a homologação de recuperações judiciais
Projeto de Lei busca maior transparência nas ações dos fiscos.
IBGE afirma que PIB brasileiro cresceu mais de 7% no terceiro trimestre de 2020
A antecipação da revogação de benefício de PIS e Cofins para o mercado varejista será julgada pelo STF
ABAT vai analisar carga tributária sobre bens digitais
Fórum Tributário Nacional discute Reforma Tributária com empresas privadas
Projeto de Lei retira benefícios Tributários de empresas que realizem atos discriminatórios contra seus funcionários.
2ª Turma do STJ decidiu pela incidência de IR e CSLL na correção monetária de investimentos.
Cerca de 3 mil empresas inadimplentes do Simples Nacional podem ficar fora do Regime tributário.
Receita, CNJ, PGFN e CARF, farão acordo para analisar processos do contencioso tributário.
7ª Turma do TRF 1 mantem isenção de IPI para compra de automóvel a portador de orteoartrose primaria e contusão no joelho.
Projeto de Lei Complementar cria nova possibilidade de pagamento de tributos estaduais e municipais.
STJ decidiu que os custos com material não podem ser excluídos do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica com lucro presumido.
TRF3 mantém condenação de empresário por sonegação milionária.
Seguindo entendimento do STF, 6ª Turma do STJ definiu ser indispensável a contumácia na ausência de recolhimento de ICMS para caracterização de crime tributário.
TRF1 decidiu que a conversão do depósito em renda é suficiente para extinção de execução fiscal.
Empresa recebe liminar para reinserção no Simples Nacional após exclusão por inadimplemento de baixo valor
2ª Turma do TRF4 decidiu pela extinção do crédito tributário quando o pagamento é realizado no período de 20 dias após a notificação.
STF decidiu que é constitucional a determinação de alíquotas maiores, quanto à Contribuição ao PIS e à Cofins, para empresas importadoras de autopeças.
Mandado de segurança Coletivo que buscava suspender a exigibilidade de PIS e COFINS é extinto.
Next
Prev
Leave a Response

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nosso blog