Tratado entre União e contribuintes é bem-aceito entre tributaristas - fernando ramos advocacia
Tratado entre União e contribuintes é bem-aceito entre tributaristas
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Prossegue na Câmara dos Deputados um projeto de lei que credita a União formar alianças atípicas com contribuintes por débitos tributários, no decorrer dessa época de calamidade pública resultante da COVID-19. A declaração agradou muitos tributaristas.

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) autor do PL 3.634/20 modifica a Lei do Contribuinte Legal, que autoriza que Fisco e contribuinte acordem sobre débito tributário. No texto, a negociação tributária poderá se realizar por aderência ou por orientação individual feita pelo Fisco ou pelo endividado. 

Estão sendo aguardadas três especificações de benefícios: permissão de desconto no déficit inscrito em dívida ativa da União; oferecimento de formas e prazos de pagamento especiais; e alteração de garantias e penhora. No caso de débitos de pequeno valor, a negociação tratará de desconto de 50% da dívida.

Leia também: Determinação estadual não pode exigir cobrança de ICMS na entrada da mercadoria

Segundo o tributarista Carlos Eduardo Navarro, um dos símbolos do atual governo é o afastamento do antiquado parâmetro de Refis e a acreditar na negociação tributária, de acordo com o que antevê o Código Tributário Nacional. O projeto, diz, “fortalece essa boa decisão concordando que as adversidades que muitos contribuintes estão passando nesta pandemia (e poderão tornar a passar no futuro em situações de calamidade pública)”.

O motivo de o projeto impedir utilização do instrumento de transação para endividados frequentes, de acordo com Navarro, é “uma notícia excelente”. “No entanto, a má notícia é a eliminação das empresas do Simples Nacional, visto que os menores precisariam ter mais benefícios que os maiores”, declara.

O projeto traz outras restrições ao trato, como a negação de diminuir multas de caráter penal em porcentagem maior que 50% e de consentir prazo de pagamento superior ao mencionado na Lei do Contribuinte Legal, que é de 145 meses.

O advogado atenta para a restrição da negociação de déficits incluídos em dívida ativa. “No passado, quando viam os Refis, era habitual que muitos contribuidores renunciassem de suas alegações administrativas para concordar. Porém, este acontecimento não ocorrerá com a negociação.

Se o objetivo da União for diminuir seu contencioso, será necessário fazer um Refis para dívidas não inscritas ou mesmo aumentar o alcance da negociação”, esclarece. 

Eduardo Ramos Viçoso advogado tributarista , corrobora sobre o projeto tornar possível um retorno ágil do agente público. “A incorporação das normas exatamente na lei também impedirá o egoísmo na concepção de relativa legislação regulamentadora. Portanto, é sinônimo de competência e clareza.” 

Há ausência de minúcias
Contudo o advogado Adriano Silvério, salienta a falta de clareza no projeto relativo á como serão oferecidos os descontos resultantes das negociações. Ele assinala que a permissão dos abatimentos dependerá da avaliação da Procuradoria “para entender se os parâmetros tributários da União são recuperáveis ou não, ou se originaram em consequência da crise econômica causada pela Covid-19”

Ele acrescenta que, ainda que o projeto seja aceito, não terá acréscimo da concordância dos contribuidores. “Frente a pandemia e a pouca prática econômica seria significativo um programa geral de parcelamento, com a chance fazer uso de créditos provenientes de perdas fiscais, descontos de multa e juros de forma a impedir o descumprimento generalizado e a diminuição do recebimento do governo federal”, propõe.

O tributarista Leandro Lucon, explica que na atualidade as pessoas jurídicas têm a chance de liquidar suas dívidas tributárias em até 84 meses. O projeto muda a norma, mas preserva o prazo de 60 meses para parcelar as dívidas previdenciárias, por causa das restrições constitucionais.

E ainda continua que sendo admitido, “haverão mais ocasiões favoráveis nas negociações tributárias para responder ao interesse público em ocasiões de calamidade pública reconhecida em parte ou na totalidade do território nacional”. Além do mais, o advogado compreende que o projeto dará ao contribuidor a chance para organizar sua condição fiscal da maneira menos penosa.


Mesmo a proposta sendo bem-vinda para proporcionar a transação de débitos altos entre o contribuinte e o Fisco e diminuir o número de processos fiscais, existe uma abertura para poderes excessivos, de acordo com estudos.

“A moção, como está, parece conferir poderes excessivos, muito amplos para autoridade administrativa, ao lhe conceder o poder de, unicamente sob um juízo de proveito e ocasião, resolver o que é ‘interesse público, representação de concepção vaga e aberta, e que simboliza no texto da proposta como fundamento tolerante para a negociação tributária”, conceitua.

  VEJA TAMBÉM
Tribunal de Justiça de São Paulo suspende majoração de ICMS em Ovos de Páscoa
Ativos intangíveis devem ser amortizados no Imposto de Renda Pessoa Jurídica e na Contribuição Social Sobre o lucro liquido de empresas optantes pelo regime de lucro real
Associações do setor de carnes questionam no STF a validade de normas no Estado de São Paulo
Supremo decide pela constitucionalidade na vedação de compartilhamento de informações prestadas ao Regime de repatriação de ativos
Presidente do CNJ, Ministro Luiz Fux, acredita que a reforma tributária pode refrear a judicialização excessiva.
É Inconstitucional a cobrança de ITCMD sobre doações e herança na ausência de Lei Complementar, decide STF.
Setor de serviços e comércio envia documento formal à Secretaria do Governo …
Ministro da Economia pretende adiar pagamento do Simples Nacional para o próximo ano
Câmara do Comércio Exterior estabelece alíquota zero para importação de revólveres e pistolas
Teto para multa em decorrência da dívida de ICMS é de 20% da atividade tributável
STJ acaba com a obrigatoriedade de certidão negativa para a homologação de recuperações judiciais
Projeto de Lei busca maior transparência nas ações dos fiscos.
IBGE afirma que PIB brasileiro cresceu mais de 7% no terceiro trimestre de 2020
A antecipação da revogação de benefício de PIS e Cofins para o mercado varejista será julgada pelo STF
ABAT vai analisar carga tributária sobre bens digitais
Fórum Tributário Nacional discute Reforma Tributária com empresas privadas
Projeto de Lei retira benefícios Tributários de empresas que realizem atos discriminatórios contra seus funcionários.
2ª Turma do STJ decidiu pela incidência de IR e CSLL na correção monetária de investimentos.
Cerca de 3 mil empresas inadimplentes do Simples Nacional podem ficar fora do Regime tributário.
Receita, CNJ, PGFN e CARF, farão acordo para analisar processos do contencioso tributário.
7ª Turma do TRF 1 mantem isenção de IPI para compra de automóvel a portador de orteoartrose primaria e contusão no joelho.
Projeto de Lei Complementar cria nova possibilidade de pagamento de tributos estaduais e municipais.
STJ decidiu que os custos com material não podem ser excluídos do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica com lucro presumido.
TRF3 mantém condenação de empresário por sonegação milionária.
Seguindo entendimento do STF, 6ª Turma do STJ definiu ser indispensável a contumácia na ausência de recolhimento de ICMS para caracterização de crime tributário.
TRF1 decidiu que a conversão do depósito em renda é suficiente para extinção de execução fiscal.
Empresa recebe liminar para reinserção no Simples Nacional após exclusão por inadimplemento de baixo valor
2ª Turma do TRF4 decidiu pela extinção do crédito tributário quando o pagamento é realizado no período de 20 dias após a notificação.
STF decidiu que é constitucional a determinação de alíquotas maiores, quanto à Contribuição ao PIS e à Cofins, para empresas importadoras de autopeças.
Mandado de segurança Coletivo que buscava suspender a exigibilidade de PIS e COFINS é extinto.
Next
Prev
Leave a Response

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine nosso blog